All risks: O que é e como funciona?

0

Segurança é sempre um tópico que empresas e pessoas costumam dar bastante atenção e justamente por isso coberturas do tipo All risks são bem procuradas para atender essas demandas. 

Porém, percebe-se que muitos não conhecem a abrangência do All risks e acabam por contratar o serviço e se frustrar. Por isso, neste artigo, vamos mostrar para você o limite do All risks, os riscos que ele cobre e as vantagens de se ter esse contrato em mãos.

O que é o All Risks?

Conteúdo

O termo All Risks é usado para se referir à cobertura de seguro para danos materiais e riscos, desde que não esteja excluído da apólice. Diferente de outros seguros, ele já contém previamente os riscos excluídos.

O que é o All Risks?
Fonte/Reprodução: original.

Uma apólice é basicamente um documento que a seguradora emite garantindo a aceitação do contrato e contém todos os dados essenciais do seguro, como cláusulas, riscos, condições e afins. Guarde essa definição, pois precisaremos dela para compreender os tópicos seguintes. 

Quais são os riscos cobertos pelo All Risks?

É neste tópico do All risks que muitos costumam se perder com frequência. Essa cobertura abarca somente os riscos que não estejam excluídos da apólice. Aqui vai uma lista sobre os que se enquadram:

  • Inundações;
  • Guerras;
  • Terremotos;
  • Destruição de objetos frágeis;
  • Desgastes;
  • Poluição;
  • Acidentes nucleares.

Vale lembrar que essa lista pode sofrer variações a depender da seguradora.Qualquer risco fora da lista pode ser coberto pelo seguro. Por fim, esse serviço pode ser acionado quando há perda física ou algum prejuízo ao objeto que foi acertado no contrato após a contratação.  

Como funciona o All Risks?

Com toda a definição do All risks dada, podemos nos aprofundar sobre o seu modo de funcionamento. Vamos pensar, por exemplo, que uma empresa que fabrica qualquer produto tem como objetivo construir um segundo local para produção. Ela escolhe um local com risco de inundação e fortes deslizamentos de terra por achar que o All risks vai cobri-la.

Caso o fenômeno venha a acontecer a empresa poderá se frustrar, já que esses acontecimentos com chances remotas de acontecer costumam não ser cobertos pelo All risks. Além disso, vale lembrar que caso o indivíduo queira cobrir riscos que estejam excluídos do contrato do All risks, é necessário pagar uma taxa extra.

Num cenário no qual a empresa sofresse de um problema mas que agora o fato estivesse dentro da apólice do All risks, seria necessário que a companhia provasse a ocorrência antes que o ônus fosse transferido para a seguradora. 

Isso significa dizer que a companhia precisa provar que o acontecimento pode ser indenizado e que de fato ele ocorreu para que a seguradora possa disponibilizar a quantia.

Qual é o valor da cobertura do All Risks?

Pelo fato dos serviços do All risks cobrirem uma vasta gama de riscos, o seu preço costuma ser mais caro e pode também sofrer variações a depender da quantidade de acréscimos para a efetivação do contrato.

O que é preciso para contratar o All Risks?

Primeiramente é necessário entrar em contato com uma seguradora para informar interesse no contrato. Após isso, verifique todas as cláusulas e, se estiver tudo de acordo, leve os documentos requisitados para a operação e feche o contrato.

Com tudo que falamos, você pôde perceber a abrangência do All risks e também conferir o funcionamento dessa cobertura. Não deixe de compartilhar o post e conferir outros conteúdos para ficar por dentro do mundo das finanças!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.