Qual a renda ideal para manter uma família de 4 pessoas

A renda familiar é um cálculo muito importante, que deve definir a média de gastos de uma família e as possibilidades de compra e aquisição para eles. Mas afinal, qual a renda ideal para manter uma família de, por exemplo, 4 pessoas?

Se você está se perguntando qual a renda média para um núcleo familiar semelhante, vale a pena conferir as informações abaixo:

A renda familiar é o cálculo base corresponde aos gastos necessários para manter as necessidades básicas de uma família, mas vale enfatizar que esse valor possui diversas variáveis.

Calculamos também a renda familiar a partir da soma de todos os salários presentes na residência dividido pelo número de pessoas.

Este valor é que será o gasto previsto para que a família subsidie as necessidades básicas mensais, como alimentação, acesso a educação, transporte público e vestimenta.

Qual a média salarial necessária para manter uma família de 4 pessoas?

Como você conferiu acima, a renda família é um cálculo muito importante que garante a qualidade de vida da família.

Quando pensamento em uma média salarial, incluindo os gastos básicos e considerando a inflação atual do mercado, podemos dizer que o valor esperado para que essa mesma família tenha qualidade de vida seja equivalente a

Este valor muito se afasta do salário mínimo atual, equivalente a R$1.045 2020 e projeção de R$1.079 em 2021. É importante mencionar igualmente que este valor, quando promovido pela CLT recebe descontos referentes ao INSS.

De acordo com a nova tabela do INSS para 2021, o percentual de contribuição dos trabalhadores permanece o mesmo, mas a projeção dos descontos aumenta uma vez que o salário tende a subir anualmente.

Como é realizado o cálculo do salário mínimo?

Assim como foi indicado nos parágrafos anteriores, o salário mínimo não é equivalente a média salarial esperada para que uma família brasileira de 4 pessoas possa ter acesso a qualidade de vida de acordo com os valores do mercado brasileiro.

Então como é realizado este cálculo? Bem, é interessante ter em mente que o salário mínimo foi uma conquista árdua do trabalhador e que em 2004, essa média mal superava os R$300.

Anualmente, o salário mínimo sofre reajustes com base no percentual do PIB e do INPC, mas interfere diretamente na valorização do real, na inflação e em programas sociais que promovem transferência de renda, tais como o Bolsa Família e o Salário-Família.

O cálculo visa promover acesso às necessidades básicas mencionadas, mas é atualizado dentro de uma projeção possível para o mercado de trabalho brasileiro.

Em 2021, vale mais a pena comprar um carro ou uma moto?

Está pensando em se tornar proprietário de um veículo em 2021? Se comprar um veículo está nos seus planos para este ano, pode estar se perguntando qual a opção mais vantajosa: carro ou moto?

Essa é uma dúvida comum e para decidir a melhor opção para você, separamos algumas informações sobre esses dois veículos.

Carro

Consumo

Quem pensa em comprar um veículo e prioriza a economia, vai encontrar menos vantagem em comprar um carro. Entretanto, é importante mencionar que as montadoras estão buscando investir em modelos econômicos, como é possível conferir no lançamentos de carros que chegam ao Brasil em 2021.

Conforto

No conforto, o carro acaba ganhando destaque. Então se você precisa do veículo para viajar, transportar cagas maiores ou levar outros passageiros, essa é a melhor opção para você. Diversos carros 2021 tem ganhado destaque no quesito conforto e vale a pena dar uma olhadinha nesses modelos.

Valor

Já no valor, quem dispõe de pouco capital ou não pretende ter um financiamento a longo prazo, não vai encontrar a melhor opção no carro, já que é consideravelmente mais carro que uma motocicleta.

Segurança

A segurança é outro ponto que deve ser considerado na compra de um veículo. Neste ponto, o carro vence pois promove mais segurança para os passageiros, tanto pelo porte do veículo quanto pela existência dos airbags, que são itens de série obrigatórios. A tecnologia também tem auxiliado a trazer melhorias para os pneus e os freios.

Moto

Consumo

Quem prioriza economia, tem como a melhor opção a motocicleta, o veículo mais econômico do mercado. Dependendo do modelo, é possível percorrer 30 km ou mais por litro de gasolina. Além disso, vale mencionar que a motocicleta promove maior mobilidade e percorre maiores distâncias em menos tempo.

Conforto

Já o conforto não é a maior vantagem do veículo de duas rodas. Apesar das montadoras tentarem investi cada vez mais em tecnologias capazes de desenvolver modelos mais confortáveis, a moto ainda não se destaca nesse quesito.

 

Valor

Você está procurando um investimento menor ou um financiamento que não comprometa a sua renda por tanto tempo? Então, a moto é a escolha ideal para você, pois possui um valor de aquisição acessível e consideravelmente menor que um carro.

Segurança

A segurança não é o ponto forte desse tipo de veículo. De acordo com o Detran, as motos estão presentes na maioria dos acidentes e quem prioriza segurança, deve pensar duas vezes antes de comprar uma moto.

Como escolher o melhor método de financiamento estudantil?

O financiamento estudantil é uma das possibilidades existentes para auxiliar você a ingressar no ensino superior. Se você está estudando essa opção mas ainda não sabe qual método utilizar, vale a pena conferir as informações do texto  a seguir:

Optar pelo financiamento estudantil é uma ótima opção para quem precisa se qualificar e começar  a sua carreira mas não possui a renda necessária. Muitos estudantes já utilizaram este método de ingresso no ensino superior e conseguiram seu certificado de graduação.

Existem algumas opções disponíveis no mercado, que serão apresentadas a seguir a fim de exemplificar o funcionamento e as vantagens para que você possa decidir qual a melhor opção para você.

Fies

Vamos começar falando do Fies, um dos maiores programas de financiamento estudantil do país. o Fies é oferecido através de uma parceria entre o Governo e instituições do ensino superior que são parceiras da causa e recebem incentivo de diversas formas.

Os estudantes podem concorrer as vagas do Fies, participando do Exame Nacional do Ensino Médio, o método padrão para entrar em uma graduação. Além de participar do Enem, é necessário estar de acordo com os requisitos do FIES 2021:

  • Estar classificado como baixa ou média renda;
  • Tirar nota mínima de 450 pontos do Enem;
  • Não zerar a prova de redação do Enem.

Se estiver dentro dos requisitos do programa, o estudante pode participar das inscrições para o FIES 2021, concorrendo uma bolsa parcial ou integral e estudar em uma das instituições parceiras.

O Fies possui um dos juros mais vantajosos do mercado e proporciona ainda, um prazo generoso para que os estudantes bolsistas possam começar a pagar o financiamento.

Pravaler

Uma outra opção que apresentaremos para você é a do Pravaler, que diferente do Fies, parte de uma inciativa privada de financiamento estudantil.

O Pravaler funciona através de uma plataforma que oferece crédito estudantil para diversas graduações diferentes a fim de que os estudantes possam concluir a graduação de uma forma acessível.

Para se inscrever, é necessário que os estudantes visitem o site oficial do programa e preencham um cadastro online. Além de precisar oferecer dados pessoais, o estudante também deverá responder a questões relacionadas a sua renda familiar.

Depois, é necessário informar a sua localização e o curso para que o sistema possa buscar as opções possíveis de acordo com as suas informações.

O crédito é muito variável e pode ser superior a metade da mensalidade do curso, como também pode ser contratado por períodos.

Governo anuncia inflação menor em 2020; isso afeta o valor do salário mínimo em 2021?

O salário mínimo é um dos direitos mais importantes para o trabalhador brasileiro, pois é ele que garante remuneração  base justa para qualquer categoria de serviço promovida pela CLT. E com 2021 chegando, os trabalhadores estão preocupados acerca do reajuste do salário mínimo. Continue lendo e entenda tudo sobre o assunto:

Como mencionado, o salário mínimo é um dos benefícios mais importantes do trabalhador brasileiro. No último ano, o reajuste da remuneração base, deixou o salário mínimo no valor de R$1.045, que foi um valor insatisfatório para a classe trabalhadora, já que era muito próximo do salário anterior.

E por isso, muitas pessoas estão se perguntando sobre o novo salário mínimoque além de ser importante para os trabalhadores, é fundamental para o desenvolvimento da economia do país.

Todo ano, este benefício sofre ajustes, baseados na inflação atual do país, porém com a crise do coronavírus, afetando o setor econômico, as expectativas não são tão boas.

Como sabemos, mais de 25 milhões de brasileiros acabaram perdendo o emprego ou diminuindo consideravelmente a sua renda, devido a possibilidade de redução da carga horária de trabalho, aderida pela maioria das empresas.

Ou seja, a crise do desemprego, que já rondava o Brasil mesmo antes da epidemia do doença se instalar em nosso território, se agravou. Então, como fica o reajuste do salário mínimo para 2021?

Bem, é importante lembrar que o reajuste do salário mínimo dos últimos anos tem representado uma diferença mínima no total do trabalhador, pois a economia tem enfrentado uma instabilidade quase constante.

No último ano, o salário mínimo, que era de R$998 sofreu um acréscimo de 4,1%, chegando ao total mencionado de R$1.045. E este cenário não contava com uma crise econômica tão forte, como é aquela proporcionada mundialmente pela pandemia de coronavírus.

A verdadeira preocupação está acerca da possibilidade de um percentual de subtração para a remuneração base. Mas vale salientar que, de acordo com o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA), o salário mínimo deve continuar acima dos R$1.000.

A projeção de reajuste prevista é equivalente a R$1.079 para este ano, mas dependendo do decorrer da crise econômica, este valor pode ser alterado.

Para entender melhor como tem funcionado o cálculo do reajuste do salário mínimo durante os anos, vale a pena fazer uma comparação de acréscimo de, pelo menos, 5 anos para cá. E é através dessa previsão que esperamos o valor de R$1.045 para o salário mínimo deste ano.

post

Conheça os modelos de carros mais econômicos vendido no Brasil atualmente

Apesar dos carros econômicos terem subido de preço nos últimos anos, ainda existem modelos da categoria que são considerados compensatórios.

Com tantas taxas e impostos que são adicionados ao valor original do seu carro, como o IPVA 2021 e o DPVAT 2021, por exemplo, é necessário escolher um modelo de veículo que ofereça economia em outros aspectos.

Por isso, separamos alguns modelos de acordo com a marca da montadora, que oferecem um custo-benefício vantajoso. Confira a seguir os modelos de carros mais econômicos vendido no Brasil:

Toyota Prius

O Toyota Prius foi escolhido para representar sua montadora, a Toyota, por diversos fatores. Um deles é a luz diurna para os faróis. Como você já sabe, circular durante os dias com os faróis ligados é uma lei, o que preocupou alguns motoristas acerca da vida útil da bateria.

Essa preocupação ficou para trás com o Prius, pois ele já vem equipado com a opção de luzes diurnas, ou seja, economiza bateria. É preciso mencionar também o desempenho do Toyota Prius na cidade, que percorre cerca de 18,9 km por litro de gasolina, e na estrada, que percorre cerca de 7,0 km/litro com gasolina;

Ford Fusion Hybrid

Para representar a montadora Ford, nós temos o modelo Ford Fusion Hybrid, que possui três versões disponíveis no mercado. Apesar do preço de aquisição não ser tão popular, é importante lembrar que o veículo oferece otimização em outros setores.

O consumo é um deles, pois o modelo consegue percorrer quase 16 km na estrada com apenas 1 litro de gasolina. Além disso, também oferece conforto e segurança.

Renault Kwid

Da Renault, trouxemos o modelo Renault Kwid, que entrou para a lista desejo de milhões de brasileiros. O SUV compacto urbano oferece um dos melhores preços de aquisição, considerando todas as suas vantagens, tanto na sua versão Life, quanto na sua versão Zen, que possui um valor um pouco mais alto.

Além desse fator importante e do consumo econômico, é importante mencionar que o Kwid oferece um baixo custo para a manutenção do veículo, o que é um ponto muito positivo.

Volkswagen Up! TSI

Para representar a Volkswagen, trouxemos o Volkswagen Up! TSI, um veículo que oferece conforto e praticidade para o dia dia. O diferencial do UP é que, mesmo quando é abastecido com etanol, o veículo não decepciona no desempenho, sendo capaz de percorrer até pouco mais 11 km na estrada com 1 litro de etanol.

Vale mencionar que o Volkswagen Up também chama atenção por sua agilidade e recursos adicionais que são convenientes para o bolso do comprador.

Ainda vale a pena investir em imoveis?

O mercado de imóveis precisa sempre estar acompanhando a economia do país, e quem está por dentro do assunto deve ter nota a instabilidade e o declínio econômico do Brasil. E pensando nisso, vem a dúvida: será que ainda vale a pena investir em imóveis? Vamos entender esse assunto parte por parte a seguir:

Quando falamos de investimento, sempre buscamos associar a uma ideia de segurança. Investir em imóveis é considerado uma das formas mais seguras e rentáveis de aplicar o seu capital, pois a construção de patrimônio dá a sensação de estabilidade.

Entretanto, diante dessas vantagens de investir em imóveis, temos um outro ponto importante que é o mercado econômico atual. Como o investimento em imóveis é uma aplicação a logo prazo, é difícil prever a valorização e desvalorização desse bem durante os anos.

Mas o que podemos dizer é que considerar projeções para o mercado financeiro de imóveis a longo prazo não é uma atitude exagerada. E o que isso nos diz sobre investir em imóveis? Bem, vamos entender se vale a pena ou não esse tipo de renda considerando as informações anteriores.

Este investimento é possível sim, mas é preciso tomar alguns cuidados para que você não esteja perdendo capital e tempo. Com a desaceleração do mercado imobiliário a e a desvalorização dos imóveis, é preciso ser visionário para que a rentabilidade esteja ao seu favor. Veja a seguir algumas dicas:

Estude o mercado imobiliário

O mercado imobiliário é cheio de cláusula e particularidades que precisam ser avaliadas, portanto, quanto mais você se informar sobre o assunto mais chances terá de fazer o melhor negócio. Esse ponto é importante para entender as possibilidades do setor para o momento e para tempos vindouros.

Verifique os detalhes externos ao imóvel

Muitas pessoas observam somente o próprio imóvel na hora de realizar a compra, mas é preciso considerar diversos fatores externos que estarão influenciando diretamente no sucesso do seu investimento. Estamos falando de localização, IPTU, vizinhança, comércio, distância de avenidas principais, e características do gênero.

Considere as taxas de serviço para a imobiliária

Nem sempre o seu contrato com a imobiliária diz respeito somente a própria compra do imóvel. Isto depende da intencionalidade da compra! No caso de imóveis que serão usados para aluguel, por exemplo, existem algumas adaptações a serem inclusas e você precisa incluir essas taxas à conta total para entender se está realmente fazendo um bom negócio.

Como educar seu filho para que ele tenha consciência financeira?

A educação financeira é uma das instruções mais importantes para a criação de uma criança, pois pode estar transformando um consumista acelerando em um comprador consciente. A saúde financeira interfere diretamente nos outros aspectos de nossa vida e portanto, quanto antes desenvolvemos a consciência para consumir melhor para o nosso bolso e para o planeta.

A ideia é começar essa educação desde cedo e pensando nisso, nossa plataforma separou algumas dicas importantes para os país começarem a aplicar no dia a dia e ajudar a criança a desenvolver a consciência financeira. Leia abaixo:

Ofereça uma mesada

Muitos pais e educadores são contra o uso da mesada para educar os filhos financeiramente, mas na maioria das vezes é porque os pais não utilizam corretamente a função da mesada.

É preciso ter pulso firme para que o seu filho entenda que precisa gastar dentro de sua renda, portanto, não é recomendado estar sempre oferecendo suporte em caso da criança gastar o dinheiro. Isto falando de coisas supérfluas como brinquedos e jogos.

Ensine a fazer uma lista de desejos

Uma boa dica para todo mundo que quer aprender a lidar com dinheiro é fazer uma lista de desejos do que precisa e do que quer comprar, se possível separando os dois.

É interessante que a criança coloque o preço das coisas na lista e que ela mesma aprenda a eleger prioridades da sua lista, considerando o seu próprio capital.

Fale sobre o uso dos recursos naturais

Não adianta apenas ensinar sobre dinheiro, é necessário explicar para as crianças sobre a utilização excessiva dos recursos naturais limitados.

A consciência financeira e a consciência ecológica precisam caminhar juntas e você pode contribuir dando algumas aulas ou assistindo a vídeos sobre o assunto com seus filhos.

Incentive a reutilização e revitalização das coisas

Nem sempre a educação financeira estará diretamente ligada ao dinheiro. Vivemos em uma cultura capitalista que sempre nos faz optar pelo novo e é necessário mudar esse pensamento desde a ase educacional.

Por isso, incentive a reutilização e revitalização das coisas. Você pode ainda optar por redecorar, customizar e reaproveitar diversos produtos.

Leve-o para fazer compras

Este pode ser o pesadelo de todos os pais, mas pode acreditar que será uma tarefa diferente quando você der inicio a educação financeira.

Peça para a criança organizar uma lista com poucos itens do que ela quer ou precisa e ajude a decidir o que ela comprará.

post

Cinco passos para quem quer começar a investir em renda variada

Investir o seu capital, seja lá no que for, sempre será uma atitude acompanhada de muitas inseguranças. Muito tem se falado em renda variável e as suas possibilidades de investimento, mas como começar?

Bem, como este tipo de investimento possui rendas imprevisíveis, é interessante estar atento ao mercado e verificar os cinco passos abaixo:

1. Esteja por dentro da economia do seu país

A economia tem estado muito instável entre 2019 e 2020 e começar a aplicar o seu dinheiro em renda variável numa economia instável é um passo um tanto perigoso para o seu capital.

Por isso, o ideal é estar atento as previsões econômicas, ao valor do dólar e a valorização das ações. Se o mercado não estiver propício para investimento, é hora de pensar a longo prazo e comprar ações em baixa.

2. Estude bastante

A maioria dos brasileiros têm medo de investir na renda variável porque o retorno financeiro é imprevisível. A melhor forma de evitar movimentos errôneos é se informar, assim você não acaba caindo em uma armadilha do mercado financeiro e pode se livrar das oportunidades pouco vantajosas.

Pensando assim, o ideal a se fazer é estudar muito e estar por dentro das melhores possibilidades, sabendo de todas as vantagens e desvantagens para assim, fazer a jogada certa e no momento certo.

3. Faça investimentos indiretos

Essa dica é interessante principalmente para quem está estudando o mercado e quer perder o medo de investir. Você pode optar por investimentos indiretos através de ETFs e Fundos de Ações.

Essas são algumas das possibilidades mais seguras para os investidores e permite que você possa aumentar a renda aplicada aos poucos, ao mesmo tempo que desenvolve o seu pensamento econômico para o mercado.

4. Faça um plano de investimento

O plano de investimento será uma forma de você não se perder com tantos números e manter a rentabilidade como esperado.

Essa ferramenta pode ser útil tanto a longo, como a médio prazo. Não se esqueça de alterar os números de acordo com o retorno financeiro recebido, assim você pode aumentar o valor aplicado da forma que estiver fluindo melhor, tendo mais possibilidade de retorno futuramente.

5. Procure uma boa instituição financeira

Não adianta ter um bom plano de investimento e estar associado a uma empresa que não condiz com suas projeções ou que não acompanha o mercado.

Por isso, escolha uma instituição financeira que ofereça suporte para os investidos e que possa propor um serviço de qualidade.